“Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, de glória e de honra o coroaste, e o constituíste sobre as obras de tuas mãos” (Hebreus 2:7)

Ao criar o homem, Deus colocou de si mesmo nele. O homem não foi apenas uma criação de Deus, mas uma criação a partir de Deus, ou seja, carregamos em nossa essência a própria essência divina. Essa verdade é estonteante e serve de base para a compreensão da natureza humana.

Ao ser formado do “pó da terra” (Gênesis 2.7), o homem trás consigo características terrenas, ou seja, seu ser é dotado de habilidades e sensações próprias de um ser terreno – pode respirar, sentir sabores, odores, prazeres etc., capacitando-o a nos relacionar com a criação. Mas ao receber o sopro divino (Gênesis 2.7), ele carrega também a natureza celestial, ou seja, trazemos marcas morais que só encontram-se em Deus. Assim, vivemos transitando entre essas duas naturezas que se abrigam num único ser: o homem.

O homem é um ser fascinante e não pode ser compreendido a parte da sua essência espiritual. Reduzi-lo a um animal produzido a partir de uma ameba que evoluiu espontaneamente, digo, a partir do acaso, transformando-se nesse ser altamente complexo não apenas do ponto de vista biológico, mas psicológico, é no mínimo ingenuidade. Somos mais do que interconexões elétricas e impulsos animais. Não somos puro instinto, somos seres que se constroem e reconstroem tomando decisões imprevisíveis. Temos volição, arbítrio, podemos fazer nossas próprias escolhas: nem todos nós agimos da mesma forma diante das mesmas situações, diferente dos animais que agem determinados por seus instintos, estando condenados às mesmas reações diante dos mesmos estímulos.

Alguma vez você já teve aquela sensação de que pertence a esse lugar e ao mesmo tempo não pertence? Isso ocorre porque há em nós em anseio celeste que está gravado em nossa essência e que só pode ser satisfeito em Deus (2 Coríntios 2.5). Não somos apenas seres biológicos e culturais, somos seres espirituais dotados de necessidades que só podem ser supridas enquanto seres espirituais. Se Deus é a nossa fonte, só Deus pode alimentar-nos; se dele viemos, só nele podemos existir; se fomos criados por Ele, só podemos viver a partir dele.

Infelizmente o pecado degenerou as marcas da glória de Deus que estavam estampadas no homem, mas tais marcas não foram arrancadas de todo. Ainda permaneceram um anseio, uma saudade e algumas qualidades morais. Através dos tempos o homem tem buscado preencher tais necessidades por Deus, para tanto, criou a religião (“re-ligar”), aventurou-se nos prazeres carnais, na satisfação dos seus desejos e vontades corrompidos pelo pecado, mas isso só o tem lançado para mais longe de Deus.

Deus enviou o seu único Filho, dando-lhe um corpo como o nosso. Jesus entrou no mundo dos homens, viveu como homem e sentiu aquilo que sentimos a fim de trazer-nos de volta à nossa essência celestial. Em Cristo podemos voltar a ser quem somos: filhos de Deus (João 1.12). Podemos nos relacionar corretamente com o mundo e podemos nos relacionar com Deus em espírito e em verdade (João 4.24). Em Cristo a glória perdida foi restaurada e podemos viver um novo relacionamento com o Pai, relacionamento esse que não necessita de mecanismos criados pelo homem, pois estamos ligados intrinsecamente a Deus. A glória que perdemos com o “primeiro Adão”, não apenas nos foi restaurada com o “ultimo Adão” (1 Coríntios 15.45-49), como podemos vive-la de forma mais intensa uma vez que agora nos tornamos habitação de Deus em Espírito (1 Coríntios 3.16).

Marcos Arrais

CategoriaPastoral
© 2013 Church Theme | Made with love.
Top
Follow us: